Projeto de requalificação do igarapé São Joaquim é apresentado com conceito ambiental e comunitário

O escritório GRS Arquitetura, de Brasília, foi anunciado na tarde desta sexta-feira, 29, como o grande vencedor do concurso público nacional do Projeto de Requalificação Urbana Ambiental e Tratamento Paisagístico no Entorno do Igarapé São Joaquim, na bacia do Una.

Projeto para requalificar – Realizado pela Prefeitura de Belém, por meio da Secretaria Municipal de Saneamento (Sesan), em parceria com o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), o concurso tem como objetivo apresentar um projeto para requalificar a área e toda extensão do igarapé São Joaquim. O anúncio e a apresentação do projeto vencedor foi realizado no auditório David Mufarrej, da Universidade da Amazônia (Unama), localizado no Campus Alcindo Cacela, e contou com a presença do prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, que elogiou o concurso.

“Um projeto lindo para implantação do Parque Comunitário e Agroflorestal Igarapé São Joaquim, que corta o Rio São Joaquim e vários bairros. É um projeto que tem como fundamento investir os recursos públicos necessários para viabilizar, cada vez mais, dignidade para a população que já mora às margens do São Joaquim, mas, ao mesmo tempo, viabilizar o sistema de fluidez do território, possibilitando o uso de veículos modernos”, comentou o prefeito.

Critérios – Para a escolha do projeto vencedor foram levados em considerações os eixos ambiental, mobilidade e acessibilidade urbana, social, econômico e ambiência amazônica, além de arquitetura da paisagem, como critérios. O arquiteto e representante do escritório, Fabiano Sobreira, destacou o desafio de fazer um grande projeto.

“Esse é um dos grandes desafios e um dos eixos da nossa proposta. A gente entende que um projeto de um concurso não é o fim do processo, ele é, na verdade, o início, o ponto de partida, para o diálogo que estabelece com gestão, com comunidade, por meio de oficinas, ações de educação ambiental, discussões do próprio projeto com os bairros e comunidade, uma construção conjunta”, comentou.

Olhar para a comunidade – Mais de 18 projetos se inscreveram no concurso que pagará R$ 85 mil em prêmios, sendo R$ 50 mil para o primeiro lugar, além de R$ 23 mil e R$ 12 mil, para segundo e terceiro lugares, respectivamente. Segundo o coordenador do concurso e representante do IAB, Luiz Fernando Freitas, o olhar para a comunidade no entorno do igarapé e o conhecimento das peculiaridades de Belém foram pontos fundamentais na escolha do vencedor.

“A metodologia que ele se dispõe em consultar a comunidade para desenvolver o projeto. A segunda coisa é a utilização de materiais que são comuns no Pará, especialmente em Belém, então, foi com muita qualidade, com muita responsabilidade no que tava fazendo. Também teve a questão da arquitetura paisagística, que é extremamente importante”, ressaltou.

Apresentação – O projeto do escritório GRS, chamado de Projeto Parque Agroflorestal Comunitário São Joaquim, foi apresentado durante o evento. Ele consiste em um sistema agroflorestal, tornando o igarapé navegável, como meio de transporte, onde terá espaço para equipamentos flutuantes e ciclovias nas margens

A visão de paisagismo tambem será importante, com a comunidade contribuindo com o manejo. Um portal também foi apresentado, onde será possível presenciar o por do sol. O projeto também proporciona a recuperação de vias no entorno do igarapé São Joaquim.

Obras – Após a conclusão do concurso, a expectativa da Prefeitura de Belém é iniciar a obra de requalificação do igarapé São Joaquim no primeiro semestre de 2023, com o processo de licitação sendo aberto ainda este ano de 2022. O serviço está orçado em R$ 160 milhões e prevê a criação do Parque Igarapé São Joaquim, que terá área de 6,48 hectares e 4,6 km de extensão.

Centro histórico – O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou a realização de mais um concurso, agora para a requalificação do Centro Histórico. O gestor municipal concluiu agradecendo o IAB pela parceria e destacou o desenvolvimento para os bairros que compõem o igarapé.

“A revitalização do rio o tornará navegável para o esporte, para o lazer, um parque que inclui vegetação, mata ciliar. Nas margens é possível ocupar uma floresta as áreas que ainda estão vazias de verde, ao mesmo tempo o lazer, o convívio da comunidade, a participação popular. É um projeto lindo e eu queria parabenizar a população de Belém, parabenizar o IAB, que coordenou esse esforço, que envolveu dezenas de escritórios do Brasil”.

Texto: Victor Miranda
Fonte: Agência Belém (agenciabelem.com.br)

 

Aguarde o envio...